segunda-feira, 1 de novembro de 2010

2 de Novembro: Dia de Finados ou da Esperança Cristã?

Josivaldo de França Pereira


Dois de novembro, para a maioria dos brasileiros, é o dia oficial de finados. Um dia de saudades e tristeza pela morte de algum ente querido, mas também um dia de reflexão e valorização da vida.

Jesus ensinou que a vida humana é muito mais que mera existência humana. Disse nosso Senhor: “... Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente...” (Jo 11.25,26). Como bem enfatiza Bruce, “Jesus não é somente aquele que ressuscita e dá vida; ele é pessoalmente a ressurreição e a vida. Da mesma forma, no discurso em Cafarnaum, depois de ter alimentado a multidão, Jesus não somente dá pão do céu; ele mesmo é o pão vivo (6.27,35)”.[1]

A morte não tem a última palavra naqueles que são de Jesus. O que para muitos é o fim (finados), para aqueles que estão em Cristo é dia de esperança. Não da esperança em Cristo que se restringe apenas a esta vida (cf. 1Co 15.19), porém, da esperança que vai além, de que estarão para sempre com o Senhor, desfrutando de uma vida mais rica e mais completa.[2]

Uma das bem-aventuranças mais interessantes na Bíblia é aquela registrada por João no Apocalipse: “Então, ouvi uma voz do céu, dizendo: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham” (Ap 14.13).

Esta bem-aventurança de Apocalipse 14.13 não é para todos, mas tão-somente para os mortos que morrem no Senhor. São palavras de conforto e alento a todos os que em Cristo serão recebidos nos portais celestiais (cf. Mt 25.34); para aqueles que confessaram seus pecados e receberam a Jesus em seus corações como Senhor e Salvador de suas vidas.

“Os crentes cujos olhos estão fixos em Jesus, que é o autor e aperfeiçoador de sua fé (Hb 12.2), não temem a morte, enquanto os incrédulos se enchem de medo do juízo e condenação (Ap 6.15-17)”.[3]No Senhor todos os crentes morrem, assim como também vivem em Cristo”.[4] Para esses a morte já não é uma satisfação pelo pecado, porém, a libertação definitiva do pecado e a passagem para a vida eterna.[5]

As almas dos que morrem no Senhor estão no céu, aguardando a restauração de todas as coisas e a ressurreição do corpo na vida futura. Portanto, para quem está em Cristo, dois de novembro é o Dia da Esperança Cristã!



[1] F. F. Bruce, João: Introdução e Comentário. Série Cultura Bíblica. São Paulo: Vida Nova/Mundo Cristão, 1987, p. 211. Veja também Guillermo Hendriksen, Comentário del Nuevo Testamento: El Evangelio Según San Juan. Grand Rapids: SLC, 1987, p. 418-420.

[2] Cf. Leon Morris, 1Coríntios: Introdução e Comentário. Série Cultura Bíblica. São Paulo: Vida Nova/Mundo Cristão, 1992, p. 170.

[3] Simon Kistemaker, Comentário do Novo Testamento: Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p. 525.

[4] George Ladd, Apocalipse: Introdução e Comentário. Série Cultura Bíblica. São Paulo: Vida Nova/Mundo Cristão, 1986, p. 147. V. t. Ray Summers, A Vida no Além. 2ª ed. Rio de janeiro: Juerp, 1979, p. 34.

[5] Veja meu texto “A Morte do Crente no Catecismo de Heidelberg” (Abril/2010).

Nenhum comentário:

Postar um comentário