quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A Bíblia e a Ciência


Josivaldo de França Pereira

Não existe oposição alguma entre a Bíblia e a verdadeira ciência. “A Ciência precisamente estabelecida e a Bíblia corretamente interpretada nunca cairão em contradição”.[1] Somente quando hipóteses e teorias não provadas cientificamente são apresentadas como se fossem ciência e, principalmente, seguem na contramão do que a Palavra de Deus ensina, é preciso que elas sejam descartadas. Exemplos clássicos são as teorias da evolução de Charles Darwin e do Big Bang difundida por Carl Sagan.
Vale ressaltar que a Bíblia não deve ser tomada como se fosse um tratado científico. Ela antecede a ciência moderna e, por isso, tem uma linguagem própria, comum, não-técnica. É o caso de Josué 10.12-14. Durante a batalha contra cinco reis dos amorreus, Deus deu a Israel o poder de vencer seus inimigos. Como os exércitos dos amorreus fugiam de Israel, Josué pediu ao Senhor que fizesse com que o sol e a lua parassem. Assim eles poderiam ter luz do dia suficiente para completar a destruição de seus inimigos. “E o sol se deteve, e a lua parou até que o povo se vingou de seus inimigos... O sol, pois, se deteve no meio do céu e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro” (Js 10.13).
Como o sol poderia ficar parado no céu quase um dia inteiro? Na verdade não foi o sol que parou. Isso é o que aparentou ser aos olhos de quem observava da terra. A intervenção divina foi no planeta terra, em seu movimento de rotação, isto é, o movimento giratório de 24h que a terra realiza ao redor do seu eixo. Geisler e Howe destacam: “As Escrituras foram escritas em tempos antigos, com padrões antigos, e seria algo anacrônico impor sobre elas padrões científicos modernos. Contudo, não é menos científico falar que ‘o sol se deteve’ (Js 10.13) do que se referir ao ‘nascer do sol’ (Js 1.15). Ainda hoje os meteorologistas mencionam todo dia sobre a hora do ‘nascer’ e do ‘pôr-do-sol’”.[2]
Pelo fato de não conhecer as Escrituras e nem o poder de Deus, o tribunal da Inquisição condenou Galileu Galilei no século XVI por defender a concepção heliocêntrica do sistema solar, em oposição ao geocentrismo ptolomaico – que considerava a terra o centro estático do universo, em volta da qual giravam planetas e estrelas – favorecido pela doutrina oficial da Igreja Católica. Galileu, um dos criadores da Ciência Moderna, tornou-se prisioneiro da Inquisição por ter dito que a terra girava em torno do sol. Essa tese era considerada contrária às Sagradas Escrituras, e o cientista foi condenado à prisão domiciliar perpétua.
Conquanto a Bíblia não seja um livro científico, ela tem dado contribuições significativas à ciência. Por exemplo: Ptolomeu (séc. II A. D.) provou cientificamente que a terra é redonda, no entanto, cerca de 800 anos antes de Cristo o profeta Isaías disse: “Ele (Deus) é o que está assentado sobre a redondeza da terra...” (Is 40.22).[3] A descoberta da impressão digital no século XIX se deu com a leitura de Jó 37.7: “Ele sela as mãos de todo o homem...” (ARC).
A ciência só será contrária à Bíblia se for uma falsa ciência. A Bíblia, por sua vez, jamais se oporá a um avanço científico que glorifique o nome de Deus.


[1] Cf. Adauto José B. Lourenço, Fé na Ciência. DVD. Série Pensamento Cristão. Luz Para o Caminho.
[2] Norman Geisler e Thomas Howe, Enciclopédia Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia. 4ª ed. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 1999, p. 26.
[3] A ARC diz: “Ele é o que está assentado sobre o globo da terra”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário