domingo, 31 de janeiro de 2010

Quando Deus diz "NÃO"

Josivaldo de França Pereira


É do conhecimento geral que Deus sempre responde as orações. Segundo o salmista, o Senhor Deus é aquele que “escuta” as orações (Sl 65.2). Às vezes Deus diz “espere”, em outras “sim”, ou mesmo “não”. George Müller, notável homem de oração do século XIX, entendia que o “não” de Deus é tão resposta a uma petição quanto o “sim” e o “espere” dele. Há, pelo menos, quatro personagens bíblicos que ouviram o enfático “não” de Deus. Dois desses personagens receberam a negativa em relação a um pedido pessoal e dois deles como intercessor. Todos eles são relatados na Bíblia como grandes homens de Deus. Homens de oração e fé.

Moisés

O primeiro personagem a ter um “não” como resposta de Deus à oração foi Moisés. Recordemos o episódio de Números 20.1-13. Quando Israel chegou no deserto de Zim, em Cades, não havia água para o povo. Então toda a congregação se ajuntou contra Moisés e Arão. O povo contendeu com Moisés (veja Nm 20.3-5). Em seguida o Senhor disse para Moisés tomar a vara e diante do povo falar à rocha, e esta daria água para toda a congregação e aos seus animais. Moisés tomou a vara, mas ao invés de falar à rocha ele disse ao povo: “Ouvi, agora, rebeldes: porventura, faremos sair água desta rocha para vós outros? Moisés levantou a mão e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saíram muitas águas; e bebeu a congregação e os seus animais” (Nm 20.10,11). Moisés não fez o que o Senhor tinha mandado. Então o Senhor disse a Moisés e Arão: “Visto que não crestes em mim, para me santificardes diante dos filhos de Israel, por isso, não fareis entrar este povo na terra que lhe dei” (Nm 20.12). Mais tarde quando Moisés recordava a história de Israel, ele implorou para que o Senhor o deixasse entrar na Terra Prometida. O Senhor disse a Moisés: “Basta! Não me fales mais nisto” (Dt 3.26). E Deus não respondeu com brandura. Moisés disse que o Senhor se indignou muito contra ele.

Davi

Outro personagem bíblico que teve sua oração negada foi Davi. O rei adulterou com Bate-Seba e tramou a morte de Urias, marido dela. Bate-Seba engravidou. O profeta Natã disse a Davi que “posto que com isto deste motivo a que blasfemassem os inimigos do SENHOR, também o filho que te nasceu morrerá” (2Sm12.14). O que segue é uma desesperada corrida contra o tempo para que Deus reverta essa profecia. Diz a Bíblia que Deus feriu a criança e esta adoeceu gravemente. “Buscou Davi a Deus pela criança; jejuou Davi e, vindo, passou a noite prostrado em terra” (2Sm 12.16). E assim ficou o rei até à morte da criança. Após a morte do menino, Davi se levantou da terra; lavou-se, ungiu-se, mudou de vestes, entrou na Casa do Senhor e adorou; depois veio para sua casa e se alimentou normalmente como se nada houvesse acontecido, para estranheza de todos. “Disseram-lhe seus servos: Que é isto que fizeste? Pela criança viva jejuaste e choraste; porém, depois que ela morreu, te levantaste e comeste pão. Respondeu ele: Vivendo ainda a criança, jejuei e chorei, porque dizia: Quem sabe o SENHOR se compadecerá de mim, e continuará viva a criança?” (2Sm 12.21,22). É provável que Davi, em toda a sua vida, nunca tivesse orado com tanta intensidade ao Senhor. E Deus não ouviu a sua oração em favor da criança.

Jeremias

Temos em Jeremias o terceiro exemplo de petição negada. Por causa dos muitos pecados do povo contra Deus, mesmo após inúmeras advertências, o Senhor proibiu o profeta, por três vezes, de interceder em favor de Judá. “Disse-me ainda o SENHOR: Não rogues por este povo para o bem dele” (Jr 14.11). E mais: “Disse-me, porém, o SENHOR: Ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim, meu coração não se inclinaria para este povo; lança-os de diante de mim, e saiam” (Jr 15.1). Deus disse a Jeremias que estava “cansado de ter compaixão” do povo que o rejeitou (Jr 15.6). E o povo foi para o cativeiro babilônico, onde ficou durante 70 anos.

Paulo

O quarto personagem bíblico a ter seu pedido de oração negado foi Paulo. Exatamente, o grande apóstolo dos gentios e homem de fervorosas orações. O apóstolo Paulo era um homem extremamente humilde, portanto, é com relutância que ele relata as visões e revelações do Senhor em 2Coríntios 12.1-4. Apesar de humilde, mesmo para um homem como Paulo, não seria difícil pecar por causa de tão gloriosa revelação. Por isso, diz ele: ''E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim'' (2Co 12.7,8).
“Três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim”, diz o apóstolo.
Concluindo:

Às vezes, Deus vai responder negativamente as nossas orações porque é a melhor maneira dele nos abençoar. Diferente do que muitos anunciam hoje em dia, o “não” de Deus não significa, necessariamente, uma falta de fé ou pecado na vida de quem ora. Deus, às vezes, não quer responder positivamente, por assim dizer, porque ele tem coisas maiores para nós.
Moisés não entrou na Terra Prometida como ele tanto queria, mas Deus concedeu-lhe a graça de contemplá-la de longe. Além disso: “Nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, com quem o SENHOR houvesse tratado face a face, no tocante a todos os sinais e maravilhas que, por mando do SENHOR, fez na terra do Egito, a Faraó, a todos os seus oficiais e a toda a sua terra; e no tocante a todas as obras de sua poderosa mão e aos grandes e terríveis feitos que operou Moisés à vista de todo o Israel” (Dt 34.10-12). Davi não teve seu filho de volta como consequência do seu pecado, mas o segundo filho dele com Bate-Seba foi amado pelo Senhor (2Sm 12.24). Salomão foi um dos mais poderosos reis de Israel e o homem mais sábio do mundo (1Rs 3.5-15). Some-se a isso o fato de Davi ser a única pessoa na Bíblia que recebe a designação de “homem segundo o coração de Deus” (At 13.22). E Jeremias confessou: “Eu sei, ó SENHOR, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos” (Jr 10.23). E ainda: “Acaso, haverá entre os ídolos dos gentios algum que faça chover? Ou podem os céus de si mesmos dar chuvas? Não és tu somente, ó SENHOR, nosso Deus, o que fazes isto? Portanto, em ti esperamos, pois tu fazes todas estas cousas” (Jr 14.22). Após 70 anos de cativeiro Deus traria de volta o seu povo (Jr 25). Paulo não teve seu espinho retirado, porém, recebeu a promessa de que a graça de Deus estaria sempre com ele, plena e suficientemente (2Co 12.9). Por isso, ao invés de gloriar-se com a grandeza daquelas revelações, Paulo passa a gloriar-se na experiência oposta, que revelava suas fraquezas e total dependência da graça suficiente de Jesus Cristo (2Co 12.9,10).
Às vezes Deus não vai ouvir a nossa oração, por mais fervorosa que seja, porque ele está preparando algo maior e melhor para a nossa vida.
Deus o (a) abençoe.