segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Debaixo da figueira: a mensagem de João 1.43-51

Josivaldo de França Pereira

Segundo João, dos doze discípulos de Jesus, somente Pedro e Natanael não foram chamados diretamente pelo Mestre, por assim dizer. André levou seu irmão a Jesus (Jo 1.40-42) e Filipe convidou o amigo Natanael, conhecido nos sinóticos como Bartolomeu (Mt 10.3; Mc 3.18; Lc 6.14). O encontro entre Jesus e Natanael é um dos mais notáveis da Bíblia.
“Filipe encontrou a Natanael e disse-lhe: Achamos aquele de quem Moisés escreveu na lei, e a quem se referiram os profetas: Jesus, o Nazareno, filho de José”. Filipe faz um relato perfeito da pessoa de Jesus a Natanael. Sua citação das Escrituras relembra o que Jesus diria a dois discípulos no caminho de Emaús: “E, começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras" (Lc 24.27; cf. v44). Contudo, Natanael se declara francamente incrédulo de que qualquer coisa boa, muito menos o Messias, saia de Nazaré. Nazaré era uma cidade pequena, inexpressiva e insignificante aos olhos de muitos. Ela não é citada uma única vez no Antigo Testamento, nos apócrifos, nos escritos de Josefo ou no Talmude.
Filipe convida Natanael a vir e ver com os próprios olhos o Messias. “Jesus viu Natanael aproximar-se e disse a seu respeito: Eis um verdadeiro israelita, em que não há dolo”. Nosso Senhor conhece perfeitamente a natureza humana (Jo 2.23-25). Portanto, ele pôde dizer com exatidão que Natanael é “um verdadeiro israelita, em quem não há dolo”. Uma declaração que, por sinal, recorda o que Deus disse acerca de Jó: “... Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal” (Jó 1.8; cf. 1.1; 2.3).
A declaração de Jesus deixou Natanael surpreso: “... Donde me conheces? Respondeu-lhe Jesus: Antes de Filipe te chamar, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira”. Certamente Jesus não diria o que disse a Natanael se este estivesse simplesmente dormindo embaixo da figueira, ou comendo figos. Debaixo da figueira Natanael estava com a mente e o espírito sintonizados em Deus. À semelhança de Simeão, Natanael também era um homem justo e piedoso que esperava pela Consolação e Salvação de Israel: o Messias prometido. O Verbo encarnado era a resposta viva às orações de Natanael. Deus atendeu as preces dele!
A primeira confissão de fé de um discípulo feita a Jesus vem cheia de emoção: “... Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”. “Ao que Jesus lhe respondeu: Porque te disse que te vi debaixo da figueira, crês? Pois maiores cousas do que estas verás”. Quem crê nas menores coisas que Jesus diz haverá de ver as maiores também. Talvez você esteja debaixo de sua “figueira” hoje – orando, clamando e chorando na presença de Deus. Saiba que ele vê. Deus é o Deus que vê (cf. Gn 16.13) e virá ao seu encontro. Creia nisso.

Um comentário: