sábado, 2 de abril de 2011

Só em Jesus

Josivaldo de França Pereira


Desde os tempos mais remotos o ser humano tem procurado respostas que satisfaçam os anseios e indagações de sua alma. A Bíblia ensina que as respostas para os muitos questionamentos do ser humano estão em Cristo. A salvação não é apenas um ato redentivo "que nos livra da ira futura" (1Ts 1.10), mas a chave que abre a fechadura das incertezas existenciais que aterrorizam a humanidade nos dias de hoje.

A verdade é que o ser humano – como indivíduo e na sociedade – está em perigo de morte e necessita de ajuda, de salvação. O diabo tem procurado mostrar até mesmo para a igreja que as coisas não estão tão ruins para o mundo como se pensa. "As pessoas estão bem, estão saudáveis", é no que ele pretende que a igreja acredite. Mas para o apóstolo João dizer que "o mundo inteiro jaz no maligno" (1Jo 5.19), é porque a coisa está realmente feia!

Por que tanta violência? Por que tanta injustiça social? Por que tanta falta de amor? É porque o mundo jaz no maligno. Por isso, a horrenda sorte do ser humano é descrita como fracasso, destituição, vazio, alienação, escravidão, rebelião, enfermidade, corrupção e morte. E no naufrágio de sua cegueira espiritual o ser humano se agarra desesperadamente a qualquer tábua que, como sempre, não suporta o seu peso.

Como são múltiplas as fúteis tentativas para remediar essa triste situação – iluminação intelectual da ignorância, reforma moral, esforços ascéticos, tratamento médico ou psicológico, melhoramento social pelo avanço tecnológico, estratégia política e econômica e, acima de tudo, técnicas religiosas criadas pelo próprio homem.

"Desde bem cedo em sua história, o homem teve de perceber, como continua tendo de ver, que não pode produzir a sua própria salvação, por causa da natureza radical de seu pecado e egocentrismo; as suas tentativas para salvar a si mesmo são a pior afronta feita a Deus, e fazem-no incorrer em seu julgamento" (G. Walters). Jesus é a única esperança de salvação do ser humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário