domingo, 3 de abril de 2011

Por que os discípulos não desconfiaram de Judas Iscariotes?

Josivaldo de França Pereira

As Escrituras predisseram a traição de Judas Iscariotes (Sl 41.9; 55.12-14,20,21; 69.25; 109.8). Pedro disse: “Irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo proferiu anteriormente por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus” (At 1.16). Em sua oração sacerdotal Jesus falou ao Pai: “Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura” (Jo 17.12).
Desde o início Jesus sabia, é claro, que Judas o trairia: “Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo ele um dos doze” (Jo 6.70,71). “Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos” (Jo 13.11). Os termos “diabo” (Jo 6.70) e “filho da perdição” (Jo 17.12) que Jesus usou para se referir a Judas Iscariotes, são os mesmos nomes atribuídos a Satanás (Ap 12.9) e ao Anticristo (2Ts 2.3), respectivamente.
Embora Judas fosse do Maligno, até poucas horas antes de trair a Jesus, ele aparentava ser igual aos outros, a ponto dos discípulos não desconfiarem dele nem mesmo quando Jesus apontou o traidor. Lucas diz que Judas “se tornou traidor” (Lc 6.16) e João declara que, durante a ceia, o diabo já tinha posto no coração de Judas Iscariotes que traísse a Jesus (Jo 13.2), indicando que a traição brotou no coração de Judas fazia pouco tempo. Contudo, João havia, outrora, revelado o caráter diabólico de Judas na ocasião em que o Mestre era ungido por Maria em Betânia: “Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, o que estava para traí-lo, disse: Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres? Isto disse ele, não porque tivesse cuidado dos pobres; mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, tirava o que nela se lançava” (Jo 12.4-6).
Quanto ao fato de Judas não ter cuidado dos pobres e ser ladrão, João ficou sabendo somente depois da traição. Judas era o tesoureiro do colégio apostólico e, para os discípulos, ele era um homem acima de qualquer suspeita. Isso ficou claro por ocasião da Ceia, quando o Senhor Jesus disse: “... Em verdade, em verdade vos digo que um dentre vós me trairá. Então, os discípulos olharam uns para os outros, sem saber a quem ele se referia” (Jo 13.21,22).
Assim que Pedro fez sinal e João perguntou ao Mestre acerca de quem ele se referia (Jo 13.23-25), “Respondeu Jesus: É aquele a quem eu der o pedaço de pão molhado. Tomou, pois, um pedaço de pão e, tendo-o molhado, deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. E, após o bocado, imediatamente, entrou nele Satanás. Então, disse Jesus: O que pretendes fazer, faze-o depressa. Nenhum, porém, dos que estavam à mesa percebeu a que fim lhe dissera isto. Pois, como Judas era quem trazia a bolsa, pensaram alguns que Jesus lhe dissera: Compra o que precisamos para a festa ou lhe ordenara que desse alguma cousa aos pobres” (Jo 13.26-29). Apesar de todas as evidências (a entrega do bocado por Jesus e suas palavras dirigidas diretamente a Judas), os discípulos ainda não descobriram que Judas era o traidor.
Certamente, o bocado recebido por Judas não foi “o pão da comunhão”, mas a “deixa” de Jesus para Satanás se apoderar definitivamente do traidor. “E, após o bocado, imediatamente, entrou nele Satanás...” (Jo 13.27).
Por que os discípulos não desconfiaram de Judas Iscariotes? Seria por que Judas era um mestre da esperteza, o mais dissimulado dos homens, um ladrão genial? Nada disso. Judas era tão “brilhante” em sua inteligência quanto os outros discípulos. Falou de “trezentos denários” (Jo 12.4,5) e traiu o Mestre por “trinta moedas de prata” (Mt 26.15); sentiu um remorso patético pelo que fez, devolveu as moedas e se matou (Mt 27.3-5).
Os discípulos não desconfiaram de Judas porque o Mestre o tratava igual aos outros. Mesmo sabendo que Judas o trairia, Jesus nunca o tratou com indiferença ou menosprezo. Nosso Senhor não agiu desse modo nem quando teve, por assim dizer, a oportunidade de fazê-lo (Jo 12.4-8).[1] Mateus relata que, após o beijo da traição, Jesus chama Judas de amigo. “Amigo, para que vieste?” (Mt 26.50). Lucas registra que Jesus disse: “Judas, com um beijo trais o Filho do homem?” (Lc 22.48). Judas tinha acabado de trair Jesus pelas costas (Mt 26.14-16), agora o traía pela frente com um beijo hipócrita (Mt 26.48,49). Ainda assim, nosso Senhor falou terna e afetuosamente com ele, chamando-o de amigo e pelo nome. Judas reconheceria tardiamente que pecou “traindo sangue inocente” (Mt 27.4).
Em suma, não foi Judas Iscariotes que conseguiu se disfarçar entre os discípulos, foi Jesus que não quis revelar antes a verdadeira identidade do traidor.


[1] No episódio de Betânia (Jo 12.1-8) fica claro que, após a declaração de Judas, o Mestre se dirige a todos os discípulos (Jo 12.7,8). Mateus (26.6-11) e Marcos (14.3-7) relatam que os discípulos foram coniventes com o parecer de Judas.

14 comentários:

  1. Reverendo Josivaldo, fiquei impressionado com o desfecho desta historia! Isto nos mostra o amor de Jesus por sua igreja antes dela ser formada pelos discípulos. Não foi facil Jesus andar tanto tempo com o traidor, mas era plano de Deus mostrar o amor de Deus sobre a nossa vida. Se Jesus não tratou Judas diferente dos outros? Porque temos tratado pessoas com indiferença? Precisamos aprender mais com Jesus a lição que o senhor acabou de mostrar.

    Um abraço amigo e irmão, que Deus o abençoe. Rev. Miro e familia

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por suas palavras querido irmão Miro. Que o exemplo de Cristo seja a nossa grande motivação e inspiração neste mundo.
    Um forte abraço do pastor e amigo Josivaldo.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto. Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Iverson. Deus seja louvado!Que o Senhor Jesus continue abençoando ricamente sua vida.

    ResponderExcluir
  5. Acredito que somos verdadeiramente cristãos quando seguimos e praticamos os ensinos e exemplos de Cristo mas infelizmente grande parte da chamada igreja evangélica está seguindo ensinos de homens.

    ResponderExcluir
  6. Nem tudo está perdido; nem tudo está perdido!
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  7. Pastor, li essa msg, e fiquei pensando o quão distantes somos e estamos desta postura de Jesus.
    Por bem menos, maltratamos e menosprezamos pessoas ao nosso redor.
    Temos uma longa caminhada até um aperfeiçoamento minimo do nosso carater e compaixão pelo próximo.
    Ainda bem que há pessoas como o sr., que postam textos como esse, para que possamos fazer uma critica constante dos nossos atos...
    Texto excelente.
    Obrigada e grande abraço,

    ResponderExcluir
  8. Muito obrigado Elaine por suas palavras. O que seria de todos nós se não fosse a misericórdia de Deus, não é mesmo?
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Excelente !!! A minha oração é que o Senhor Deus continue revelando Sua Palavra ao amado irmão.
    "...não temas e nem te espantes, porque o Senhor teu Deus é contigo !! ".....

    ResponderExcluir
  10. Existe alguns pregadores que dizem que João sabia que Judas era o traidor. O que acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leandro, tudo bem? João realmente não sabia (veja Jo 13.21-30). A Bíblia diz que só Jesus sabia quem era o traidor (Jo 13.10,11). O Evangelho de João, como os demais, foi escrito depois que tudo aconteceu.

      Excluir
  11. Querido Irmão;
    Muito obrigado pelo texto, sinto que preciso crescer muito em misericórdia e ter aos meus amigos e irmãos a mesma misericórdia que o Senhor teve por mim... Muitíssim o obrigado mesmo!

    ResponderExcluir