sexta-feira, 1 de abril de 2011

A simplicidade do evangelho


"Não é lícito ir além da simplicidade do evangelho" (João Calvino)

Josivaldo de França Pereira

O substantivo "evangelho" é de origem grega e significa literalmente "boas novas". O termo aparece 96 vezes no Novo Testamento.
O evangelho pode ser definido como as boas novas de salvação em Cristo para todo aquele que nele crer. Jesus é o evangelho de Deus, a salvação para agora e a esperança da vida eterna. Mas em que o evangelho é simples? Em que consiste a sua simplicidade? Consideremos três pontos básicos.
1. O evangelho é simples em sua mensagem
Há uma singeleza sem igual que reveste o evangelho de Jesus Cristo. Sua mensagem é simples. E se existe dificuldade em se entender as verdades nele contidas, certamente isso não se dá por causa do evangelho em si, porém, por causa da dureza de coração daqueles que não querem aceitá-lo. O Senhor Jesus tratou dessa questão muitas vezes. Contudo, sua pregação e ensino eram simples: "Arrependei-vos e crede no evangelho". O evangelho de Jesus era o oposto daquilo que muitas vezes a sociedade de hoje recebe, quer seja no campo religioso, quer seja no campo sócio-cultural.
A mensagem do evangelho de Cristo é simples, mas muitos hoje em dia agem como verdadeiros escribas e fariseus (Mt 23.4,15). O novo convertido recebe fardos que nem de longe se assemelham ao fardo que Cristo propôs (Mt 11.28-30). São usos e costumes, doutrinas e leis de homens que subjugam e oprimem o povo. Fomos chamados para a liberdade, diz Paulo (2Co 3.17; Gl 5.1; Cl 2.16-19), e se Cristo nos libertou, quem são aqueles que querem subjugar novamente os libertos do Senhor?
  1. O evangelho é simples em sua linguagem
A mensagem simples do evangelho consiste da simplicidade de sua linguagem. Podemos ter dificuldade em entender uma ou outra palavra; um ou outro termo, porém, no geral, é muito fácil entender o que o evangelho diz. Infelizmente parece que na ânsia de explicar o óbvio acabamos complicando. O evangelho puro e simples não perde a eficácia de sua singeleza. Pelo contrário. Mesmo um menino e uma menina creem porque podem entender a linguagem do evangelho. Um matuto também pode e tem crido. Da mesma maneira um iletrado.
É preciso resgatar a simplicidade da linguagem da mensagem bíblica. A linguagem evangélica (o evangeliquês) com termos técnicos complicados, que geralmente usamos entre nós, precisa ser "traduzida" ou evitada, a fim de alcançarmos os não-crentes que estão em nosso meio, visto que eles precisam compreender a doutrina do evangelho para que sejam salvos.
  1. O evangelho é simples, mas não simplório
Pensar num evangelho simples, numa linguagem compreensível, não quer dizer que o evangelho seja simplório. Pelo contrário, o evangelho de Jesus é deveras exigente. É o evangelho da porta e caminho estreitos (Mt 7.13,14). É o evangelho do discipulado com responsabilidade (Lc 9.23,24).
É triste constatar o tipo de evangelho enganador que está sendo pregado hoje em dia. Um evangelho descomprometido da ética cristã e da santidade de vida. Um evangelho falsificado que propõe atalhos para os que o seguem ao invés do verdadeiro caminho (Gl 1.6-8). Um evangelho que está longe de ser seguido por aqueles que pretendem seguir a Jesus de perto (cf. Mt 7.21-29).
"Se alguém quer vir após mim", disse Jesus, "a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me". Esse é o único evangelho que nos leva a Deus, e do qual o apóstolo Paulo disse a Timóteo: “Lembra-te de Jesus Cristo, ressuscitado de entre os mortos, descendente de Davi, segundo o meu evangelho; pelo qual estou sofrendo até algemas, como malfeitor; contudo, a palavra de Deus não está algemada” (2Tm 2.8,9).  
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário