quarta-feira, 4 de maio de 2011

Mãe

Josivaldo de França Pereira

Como podemos definir mãe? É difícil descrevê-la a contento e de um jeito só. Eis algumas tentativas:
“Uma boa mãe vale mais que cem professores: é um imã para todos os corações, uma estrela para todos os olhos” – George Herbert.
“Mãe é aquela sublime criatura que, percebendo que há apenas quatro fatias de torta na mesa, para cinco familiares, apressa-se logo a declarar que nunca gostou de torta” – Herbert V. Prochnow.
“Há muitas maravilhas no universo, mas a obra-prima da criação é, ainda, o coração de uma mãe” – Bersot.
“A mãe é para os filhos o que a luz é para todos nós: só lhe sentimos a falta quando se apaga” – M. Eny.
“Ser mãe é andar chorando num sorriso! / Ser mãe é ter um mundo e não ter nada! / Ser mãe é padecer num paraíso!” – Coelho Neto.
“A mãe é a única mulher na terra que pode dividir seu amor entre dez crianças, e cada filho, de per si, tem todo o seu amor” – Jeremy Taylor.
“Mãe é o nome para Deus nos lábios e corações das criancinhas” – William M. Tackeray.
“Mãe é o banco onde depositamos todas as nossas amarguras e frustrações” – T. De Witt Talmadge.
“O pai e o filho são dois. A mãe e o filho são um” – Lao Tsé.
"Pode-se definir mãe como a pessoa que nos trouxe ao mundo. Esta definição pode ser formalmente correta. Mas quem se sentirá satisfeito com ela?" – O. Palmer Robertson.
“Por sua magnitude e grandeza, eu diria que mãe é um ser indefinível” – J. F. Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário