sexta-feira, 8 de junho de 2012

Choque Cultural

Josivaldo de França Pereira


Choque Cultural é um estado de isolamento social, ansiedade e depressão que acontece devido à dificuldade da pessoa em se adaptar a uma nova e diferente realidade cultural que ocorre quando muda de uma cultura para outra.
O termo descreve o estresse experimentado ao tomar contato com uma cultura diferente, ou ao reencontrar a própria cultura após uma prolongada ausência. Imediatamente após o contato com a cultura diferente a pessoa pode experimentar um estresse pequeno e, durante algum tempo, até desfrutar de certos aspectos da nova cultura.
Com a manutenção da situação por mais tempo pode haver um agravamento do estresse psicológico. Os sintomas e sinais associados com esse estresse variam de uma pessoa para outra, mas costumam ser representados por ansiedade, alterações do humor e/ou do comportamento.
Este estado de choque cultural costuma se resolver em alguns meses ou, no máximo, em dois anos. Algumas vezes pode evoluir para um transtorno psiquiátrico mais sério e com severo prejuízo do processo de ajustamento cultural.
A expressão "luto cultural" pode significar uma condição, na qual a pessoa que sofre não sofre apenas devido ao esforço de se ajustar às circunstâncias de uma nova cultura, mas, sobretudo, ao se dar conta da perda da cultura anterior.
O que causa esse desconforto psicológico quando entramos em uma nova cultura? Como poderíamos suspeitar, não é o cenário de pobreza e sujeira. Nem é o medo de doenças, embora quem esteja passando pelo choque cultural se preocupe muito com a limpeza e a saúde. O choque cultural é a desorientação que vivemos quando todos os mapas e diretrizes culturais que aprendemos quando crianças não funcionam mais. Despidos de nossa maneira normal de lidar com a vida, ficamos confusos, amedrontados e zangados. Raramente sabemos o que aconteceu de errado, muito menos o que fazer a respeito.
O choque cultural atinge a maioria das pessoas que vai fundo em novas culturas. Não aflige apenas os ocidentais que vão para fora. Os africanos o experimentam quando se mudam para os Estados Unidos tanto quanto os coreanos ao se mudarem para a Indonésia. Alguns apresentam sérios quadros, outros, leves ataques. A gravidade depende da extensão das diferenças entre as culturas, da personalidade do indivíduo e dos métodos utilizados para lidar com situações novas.

Bibliografia:
HIEBERT, Paul G. O evangelho e a diversidade das culturas: um guia de antropologia missionária. São Paulo: Vida Nova, 2001.
NIDA, E. A. Costumes e culturas: uma introdução à antropologia missionária. São Paulo: Vida Nova, 1996.

Nenhum comentário:

Postar um comentário