domingo, 12 de agosto de 2012

“Entristecidos, mas sempre alegres”

Josivaldo de França Pereira


Este é um dos sete conjuntos de contrastes alistados em 2Coríntios 6.8-10 (cf. 2Co 4.8,9) que retratam a abnegação ministerial de Paulo. Uma característica do cristão fiel, de um modo geral, e do pastor e líder em especial.
Por “entristecidos” o apóstolo se refere ao estado de espírito negativo causado por pessoas ou circunstâncias contra aqueles que militam na obra do Senhor. Segundo Champlin, “A tristeza tem derrotado totalmente a muitos crentes que antes viviam piedosamente; e quiçá porque a tristeza é destruidora da fé, pelo menos temporariamente”.[1] Contudo, as tristezas da vida não são suficientes para arrancar definitivamente a alegria que pulula o coração dos verdadeiros servos e servas de Jesus. Entristecidos sim, mas sempre alegres!
Parece que Paulo tem em mente as palavras de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo: “Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus, pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós” (Mt 5.11,12).
O cristão não é um derrotado. Na verdade ele é mais que vencedor em Cristo Jesus (cf. Rm 8. 31-39). A tristeza não prevalece naqueles que são de Deus. O cristão é feliz.  Assim como Paulo, podemos ser entristecidos muitas vezes, porém, a alegria deve ser a característica marcante dos filhos e filhas de Deus. E assim como Paulo não ficava vencido pela tristeza, devemos nos encher de alegria, conforme ele escreveu feliz aos coríntios: “sempre alegres” e também aos filipenses: “Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos” (Fp 4.4).
A alegria cristã é transcircunstancial.


[1] R. N. Champlin, O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. Vol. 4. São Paulo: Hagnos, 2002, p. 357.

Nenhum comentário:

Postar um comentário