domingo, 12 de agosto de 2012

“Haja luz”: uma síntese teológica de Gênesis 1.3

Josivaldo de França Pereira


 
No princípio, quando a terra era sem forma e vazia, o primeiro mandamento de vida de Deus foi: “Haja luz”, chamado na Bíblia hebraica de ‘or, na Septuaginta grega de genetheto fos e na Vulgata latina de fiat lux. E houve luz, conforme o relato fidedigno e inerrante das Escrituras.
De acordo com Gênesis 1, nos primeiros três dias da criação Deus Elohim criou os reinos e só depois, nos três últimos dias, os reis; ou seja, no primeiro dia Deus criou a luz (reino) e no quarto os luzeiros – sol, lua, estrelas – (reis); no segundo dia formou céus e águas (reinos) e no quinto as aves e os peixes para desfrutarem deles (reis); no terceiro dia fez separação entre terra e mares (reinos) e no sexto dia formou o homem e a mulher para governarem sobre eles (reis). No sétimo dia, o Deus Criador que reina sobre tudo e todos, descansou.
A pergunta que se faz muitas vezes é: De onde veio a luz de Gênesis 1.3 se o rei sol foi criado somente no quarto dia? Norman Geisler e Thomas Howe, em seu Manual popular de dúvidas, enigmas e “contradições” da Bíblia, dizem que é possível que o sol “já existisse desde o primeiro dia, tendo somente aparecido ou se feito visível (com a dissipação da neblina) no quarto dia”. E concluem: “Vemos luz num dia nublado, mesmo quando não nos é possível ver o sol”. É certo que vemos luz mesmo num dia nublado, todavia, a afirmação de que o sol pudesse existir desde o primeiro dia da criação não procede porque a Bíblia afirma que Deus criou os luzeiros, entre eles o sol, no quarto dia (Gn 1.14-19).
Ora, não seria nenhum absurdo supor que a luz do primeiro dia da criação emanou-se do próprio Deus, isto é, a manifestação da glória de Deus em forma de luz. Parece que João tinha isso em mente quando diz que “Deus é luz” (1Jo 1.5). E igualmente Tiago ao chamá-lo de “Pai das luzes” (Tg 1.17).  Em Apocalipse 22.5, a luz de Deus sobressai ao sol na nova Jerusalém: “Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz da candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos”.
Vale ressaltar que a origem do tempo (kronos) – o surgimento do dia e a noite – não se inicia com a criação dos luzeiros (sol, lua e estrelas), mas a partir da luz de Gênesis 1.3. Os luzeiros que foram criados no quarto dia seriam agentes propagadores da luz do primeiro dia. É como se disséssemos: Jesus (a Luz do mundo), veio a este mundo para salvar pecadores, porém, deixou na terra homens e mulheres (luzeiros) que o amam – seus agentes – para continuarem sua obra (cf. Mt 5.14-16; Jo 1.4; 8.12; 9.5; Fp 2.14,15).
Note, ainda, a simetria entre o primeiro e quarto dias da criação: “Disse Deus: Haja luz, e houve luz. E viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia” (Gn 1.3-5, itálicos acrescentados). “Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos. E sejam para luzeiros no firmamento dos céus, para alumiar a terra. E assim se fez. Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas. E os colocou no firmamento dos céus para alumiarem a terra, para governarem o dia e a noite e fazerem separação entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom. Houve tarde e manhã, o quarto dia” (Gn 1.14-19, itálicos acrescentados).
Sabemos que toda a criação se deu de forma repentina e proveniente do nada. Ela não deriva de elementos criados já existentes, mas apenas de Deus. É o que os estudiosos cristãos chamam de creatio ex nihilo (criado do nada). Houve um tempo em que a luz não existia, porém, a partir de Gênesis 1.3 ela passou a existir. O mesmo se deu com todas as coisas criadas por Deus (Sl 33.6-9; Hb 11.3).
Aqueles que negam os seis dias literais da criação (ao contrário do que diz Êx 20.9-11) também deviam estar atentos ao fato de que Deus realmente não precisou de muito tempo para criar, tendo como exemplo, a própria luz. Não existe no universo fenômeno mais rápido que a luz. Sua velocidade é de 320.000 km/s, ou seja, uma única piscada de olho é suficiente para a luz dar sete voltas em torno da terra.


Um comentário:

  1. Muito bom, edificante, eleva os nossos conhecimentos, podemos com esse apanhado, alcancar um leque extraordinario. Que o Senhor Jeova continue inspirando a sua palavra, dando assim a oportunidade do nome Dele ser exaltado na vida do amado irmao.

    ResponderExcluir